Institucional

Expediente

Depois da decepção com politicos para fazer convênios com os nossos  Projetos. E da morte da nossa vice-presidente em 2003. Nós passamos quatorze anos sem tocar os nossos projetos pra frente. Mas, agora, voltamos com toda força e estamos retomando nossas atividades, com:

Trabalhos filantrópicos experimentais através, de:

  • Realização de eventos avoltados para: orientação, aconselhamento, prevençã e profilaxia, sobre: Dst/Aid's, violência urbana, reintegração família-comunidade... Pelo, Projeto: "Eqvilibrio".
Prospecção de Projetos voltados para:
  1. Alfabetização;
  2. Atendimento nos casos de: profilaxia, tratamento e intervenções de problemas oftalmológicos;
  3. Tratamento e intervenções de: crianças com complicações cardiológicas;
  4. Programa de profilaxia e erradicação da Aid's; 

Com dois governos extrangeiros.

Estabelecimento

  1. Local de Fundação: Rua Teotônio Vilela, Eixo 26, Quadra 7, Casa 8, Fazenda Coutos-III. 40.731-475 Salvador-BA-BRASIL;
  2. Fundadores: Antônio Vieira Filho, Iraildes Alves de Souza, Dalva e Daudete da Paixão Oliveira, e: Edmílson Pereira da SilvaData: 16 de Julho de 1995;
  3. Registro: 2.º Oficio do Cartório das Pessoas Jurídicas sob Nº 8562/316,
  4. CNPJ: 00.731.560/0001-16,
  5. Reconhecimento: "Entidade de Utilidade Pública Municipal" pela Lei Nº 6.303/2003 - D. O. M.: 1.º de Julho de 2003;
  6. Caracterização: "Não-Governamental - O.N.G.", adaptada ao Código Brasileiro Processo Civil, qual dispõe sobre as Organizações Sociais da: Iniciativa Popular.

Diferencial

A Missão Cristã no Brasil não é uma entidade de caráter financeiramente assistencialista. É uma entidade de cará-ter: Auto-sustentável.

Nossa futura sede
Nossa futura sede

Nossa Regência

Uma Comunidade Comum baseada nos principios fundamentais Apostólicos conforme relata São Lucas nos Atos dos Apostolos: 2, 42-47 a seguir: "Perseveravam eles na doutrina dos apóstolos, na reunião em comum, na fração do pão e nas orações. Todos os fiéis viviam unidos e tinham tudo em comum. Vendiam as suas propriedades e os seus bens, e dividiam-nos por todos, segundo a necessidade de cada um. Unidos de coração freqüentavam todos os dias o templo. Partiam o pão nas casas e tomavam a comida com alegria e singeleza de  oração, louvando a Deus e cativando a simpatia de todo o povo. E o Senhor cada dia lhes ajuntava outros que estavam a caminho da salvação".

Objetivo e Finalidade


Nós somos uma Entidade Filantrópica sem Fins Lucrativos que temos por:

  1. Objetivo: associar pessoas que tenham por objetivo: afirmar a crença n'Um Cristo (Messias) Libertador da: Civilização Terráquea através de uma vida temperada por: não excessos e não privações.
  2. Finalidade: ampliar nossa corporação de maneira tal que faça diferente na Sociedade, de: diabéticos, obe-sos, hiper & hipotensos, cardiopatas; desempregados, sem teto próprio ... Em uma Sociedade, de: saudáveis, empregados, médico & odonto-assistidos, felizes, de bem com a vida e sem medo do amanhã.

Principios

  1. Existência de um só Deus, eterno, incriado; onisciente, onipresente, onipotente e Pai de todos;
  2. Não exploração do homem pelo homem, mas, convi-vência de: "Um Homem-Mandatário" da vontade de Deus, para: povoar, desenvolver, dominar e resguar-dar a Terra;
  3. Instituição da Família como PILAR entre Deus e seus Filhos;
  4. Diversidade, de: raças, línguas, povos, religiosidades, etnias ou, qualquer outra forma de vida;
  5. Interação e conectividade de Deus com seus Filhos e Filhas sem necessidade de intermediários que os cus-todiem a espiritualidade deles(as) e às suas ideologias em nome do Deus;
  6. Existência de uma: "Sociedade-Livre" sem Globaliza-ção orientada por cada esposo e esposa, como: Sacer-dote e Sacerdotisa que orienta a Sociedade a partir do seu próprio Lar;
  7. E convicção de que a Constituição de cada país é res-peitável e soberana nos domínios: geopolíticos e or-ganizativos no sentido administrativo do Planeta, mas, não no sentido de uma Nação: perene e eterna que é a Pátria de todos que acreditam na Promessa de Jesus conforme hebreus: 11, 13-16 (+ Idem: 1-40). Porque, afinal de tudo estamos tutelados ao: "Sacer-dócio de Melquisedeque" e não ao: de "Arão".